quinta-feira, setembro 26, 2013

Mongolia Bike Challenge – Dia 6



O que fica registado são os resultados e hoje o meu não foi tão bom quanto esperava, mas estou feliz pelo que fiz. Vamos por partes. 

A etapa 6 do MBC tornou-se a mais longa com 170km. Os primeiros 80km rolantes ao longo da estepe foi um bom aquecimento para a segunda metade da etapa que era mais ondulante. Apesar de ter havido algumas ‘’picardias’’ dentro do pelotão, este manteve-se praticamente coeso. Dois atletas atacaram logo de inicio e andaram praticamente sozinhos o tempo todo até serem alcançados nos últimos kms. Pouco há para registar até ao ponto que começaram as subidas. Apesar das paisagens serem de cortar a respiração como já estamos habituados, esta primeira parte foi monótona. O que quebrava a monotonia era o piso tipo ‘’tábua de lavar roupa’’ e os bancos de areia que fazia a adrenalina subir e que provocou algumas quedas.

Assim que começaram as subidas as hostilidades subiram de tom. Primeiro foi o Marcel Zamora que escapou do grupo, depois eu arrisquei e coloquei-me em fuga. Tínhamos sensivelmente 85km de prova. Tinha que arriscar a minha sorte e numa subida ataquei e ganhei uma vantagem confortável. Alguns kms depois alcancei um inglês que é repórter da Pro Cycling Magazine e tem a escola toda da estrada, ou seja, um dos atributos é manhosice. Quando chegamos juntos ao segundo posto de abastecimento ao km 100, enquanto eu enchia o meu bidon, saiu disparado a atacar feito maluco. Se há coisa que eu abomino é ataques nas zonas de abastecimento. Tudo bem, já te vou apanhar pensei cá para mim e depois de um par de kms apanhei-o. Depois de puxar alguns kms olhei para ele e tipo, puxas? Vira-se para mim, ‘’no power’’ eu na minha boa-fé, ok eu puxo. Com que então ‘’no power’’ e não me largava a roda. Cheguei a ponto que tinha de descansar algum tempo e disse-lhe que tinha de puxar. De facto ele puxou, mas durante umas centenas de metros. Ao km 125 começo a ver o grupo da frente, o inglês disse que apenas me queria ajudar a apanha-los, mas não é que o artista ataca, deixa-me para trás, passa o passa o grupo e vai-se embora…No final perguntei-lhe, então ‘’no power?’’ vira-se para mim, ‘’the power came back’’ grhhhh!! E a melhor de todas, ele já não está em prova, ontem desistiu! Depois entendi, o outro inglês Matt Page que estava na 8ª posição, separado de mim 30segundos estava no grupo perseguidor e então este outro inglês fez tudo para rebentar comigo…e conseguiu!

Ao km 130 os meus bidons estavam sem nada, ainda faltavam 20kms para o terceiro posto. Comecei a abrandar a cadência, sentia que estava a perder a potência e perdi o contacto com o australiano que seguia comigo e que estava então na segunda posição. Estava a desesperar para que aparecesse as bandeiras assinalando o abastecimento ao longe. Quando finalmente as vi, já estava no limite. Parei e abasteci, o grupo perseguidor alcançou-me neste exacto ponto e quando arranquei o meu corpo não reagia. Bebia, comi tudo o que tinha mas cada vez estava mais fraco…o homem da marreta apanhou-me. Veio o flashback da 7ª etapa da TransPortugal de 2007 quando tive pela última vez a mesma ‘’sensação’’ numa prova por etapas. Apesar de terem passados 6 anos, continua bem marcada a marretada. Liguei o piloto automático e fui indo...não conseguia colocar energia nos pedais, passei da segunda posição para oitavo e ainda faltavam 20kms e algumas subidas. Tentei animar-me, relativizar a situação, sim porque há coisas piores. Um atleta partiu o quadro no primeiro dia e não pode continuar a prova, hoje dois atletas do top 10 não arrancaram por causa de problemas intestinais. Mas eu queria tanto ir ao pódio e vi a essa oportunidade fugir-me entre os dedos...Até a líder feminina me ultrapassou nos últimos kms. Bom, não é vergonha nenhuma porque ela anda que se farta! 
 
Assim que terminei a etapa, deitei-me e fiquei ali uns 10minutos assimilando o que me aconteceu. Só me levantei quando me chamaram para ser entrevistado. Apesar de alguma frustração, estou orgulhoso pelo que fiz e pela forma que encaro a competição. E acima de tudo, pela oportunidade de fazer parte desta aventura. Os dados para registar foram 171km com 1 182 de acumulado positivo em 6.13h.

O tempo hoje esteve fantástico, pela primeira vez arranquei sem manguitos. Esteve céu limpo, e calor. Só de pensar que ontem usei manguitos, pernitos, luvas e camisola térmica…
Depois de ter visto milhares de cavalos e vacas, hoje além destes animais vimos bandos de camelos e veados. As águias e os abutres também deram um ar da sua graça e pairaram por cima de nós várias vezes. Em mais nenhuma prova que participei vi tantos e tão variados de bichos. 

O espanhol Marcelo Zamora viu a sua fuga bem sucedida e acabou por vencer a etapa. Em segundo lugar foi para o seu irmão Pau Zamora e em terceiro o líder da prova, Cory Wallace. Nos femininos, tudo se manteve igual.
Depois desta etapa penso que subi 2 lugares na classificação, mas só mais logo ao jantar é que tenho acesso aos resultados. Mas é melhor esperar para ver quais os estragos que o homem da marreta provocou. 

Hoje os Gers onde estamos instalados têm cama e ‘’aldeamento’’ teve mesmo banhos quentes. A primeira vez desde que a prova começou. Quanto às camas, tenho que admitir que o meu corpo já estava um pouco maçado de dormir no chão duro e como o meu saco cama é de verão, rapo um frio desgraçado, mesmo dormindo vestido. 

A última etapa é também a mais curta, com 86km e 1 486m de acumulado positivo. Mudamos novamente de acampamento, deixamos o complexo turístico Gun Galuut para terminarmos no Parque Nacional do Século XIII que é gerido pelo principal patrocinador da prova, a Genco Tour Bureau. De salientar a beleza do local onde estamos instalados, há um enorme lago rodeado por um vale umas colinas que se perdem no horizonte. 

Não sei se amanhã terei condições de escrever o relato da etapa devido às cerimónias previstas. Vou tentar, mas caso não consiga, depois darei notícias. 

João Marinho


Report dia 5 - http://www.joaomarinho.com/2013/09/mongolia-bike-challenge-dia-5.html






NOTA: Irei publicar um relato por dia ao longo dos próximos 7 dias. Atenção que esta prova aconteceu entre 1 e 8 de Setembro, mas não tive oportunidade de colocar os relatos online antes. 



Mais fotos na minha página de atleta no Face Book: www.facebook.com/marinhojoao







Sem comentários :

Publicar um comentário

João Marinho
Mountain biker, trail runner & adventure sports addict