domingo, setembro 22, 2013

Mongolia Bike Challenge – Dia 1



Estava na expectativa sobre como seria a etapa a vários níveis, paisagens, trilhos, abastecimentos, subidas\descidas e acima de tudo como o meu corpo iria reagir depois de uma ‘’abstinência’’ quase total de BTT desde o final da TransPyr a 16 de Julho. 

Sabia que ia sofrer, mas não estava à espera de tanto sofrimento logo desde os primeiros kms. Quase que sentia o batimento do coração na língua de tão elevado que estava. Abrandei, apreciei a paisagem e deixei passar os atletas e esperei até que o meu corpo desse sinal de melhorias.  Andei umas boas dezenas de kms até que finalmente conseguiu encontrar um ritmo que me permitiu recuperar bastantes lugares e o sofrimento diminui consideravelmente.  Muitos foram aqueles começaram  com um ritmo demasiado elevado e que a meio estavam praticamente parados nos trilhos. O entusiasmo da partida, de seguir em grupo muitas das vezes dá neste resultado. A minha experiência felizmente que falou mais alto e deu bons resultados no final. 

As paisagens eram simplesmente arrebatadoras, vivi um sentimento indescritível, senti que era uma brisa que deslizava na imensa e majestosa estepe. A velocidade muitas das vezes acima dos 40km\h a rolar, com aquele pano de fundo é impossível descrever em palavras.  A estepe prolonga-se pelo nosso olhar até ao infinito. Os cavalos selvagens, o gado e os nómadas preenchem a paisagem e tornando-a ainda mais bela. 

Os trilhos não são muito técnicos, as descidas requerem alguma atenção, porque facilmente se ganha muita velocidade. Tirando isso, os trilhos são um convite à velocidade e aos pelotões. Andar sozinho não é definitivamente o mais indicado, apesar de hoje o vento não se ter feito sentir. Bom, mas também quando se está num grupo onde a partilha de sofrimento não existe, também não é o melhor. Ás vezes estava na frente kms e kms, olhava para trás mas não havia movimentações…
Os abastecimentos foram 3 para 118kms, aos 30, 60 e aos 100km por isso havia que gerir muito bem os líquidos porque não se encontra água em mais lado nenhum. Havia água, Coca-cola, frutos cristalizados e uns doces. Além da coca-cola e água o resto não toquei. Durante a etapa consumi 4 bidons (2 de isotónico e 2 de água), um gel e alguns copos de coca-cola. 

O final da etapa foi terrível, 4 picadas que muitos tiverem que desmontar e empurrar a bicicleta. É nestas alturas que eu gosto da minha 26’’ com 3 pratos…
A etapa foi ganha por um dos favoritos e o vencedor da MBC em 2012, Cory Wallace do Kona Factory Team. Nos femininos a inglesa Catherine Williamson levou o primeiro lugar. Fiquei há pouco a saber que ela ganhou a edição de 2013 do Absa Cape Epic. Não sei ainda a minha posição, apenas sei que o meu GPS marcou 5.21min. Amanhã actualizo a posição.

Depois dos 118km com 2400m D+, amanhã são servidos 125km com 2300m D+. Vamos mudar de acampamento depois de hoje a partida e chegada terem acontecido no mesmo local, junto à estátua de Genghis Khan. Vamos para uma zona de tundra bastante protegida onde está vedada a entrada dos turistas. Fiquem desse lado!

João Marinho



NOTA: Irei publicar um relato por dia ao longo dos próximos 7 dias. Atenção que esta prova aconteceu entre 1 e 8 de Setembro, mas não tive oportunidade de colocar os relatos online antes.


Mais fotos na minha página de atleta no Face Book: www.facebook.com/marinhojoao








Sem comentários :

Publicar um comentário

João Marinho
Mountain biker, trail runner & adventure sports addict