domingo, setembro 22, 2013

Mongolia Bike Challenge – Dia 2



Aos poucos o meu corpo começa a entrar no ritmo de uma prova de etapas. 

O arranque de hoje foi muito penoso que ontem e além disso mantive-me com o grupo da frente durante muito tempo. Descolei no posto de abastecimento, aliás, fiquei eu e outro atleta um pouco mais tempo a repor os líquidos, e quando tentamos recolar, nunca mais foi possível. A etapa tinha poucas subidas e nos planos é impossível ganhar tempo para o grupo da frente. Fiquei num grupo de 6 atletas e mantivemo-nos juntos até à ultima subida do dia, por volta do km 80. Aí eu ataquei! Estava a ver 2 atletas cerca de 3minutos à nossa frente há muitos kms e a minha estratégia era apanha-los e continuar com eles até à meta. Consegui alcançar o segundo mesmo no topo da subida onde estava instalado o 3º posto de abastecimento. Daí até à meta seriam 40km, 5 deles a descer e os restantes em plano. A estratégia resultou. 

Falando da etapa, hoje foi muito diferente de ontem, nem parecia que estávamos no mesmo país! As cor de outono começam a notar-se na folhagem das árvores o que contrasta com o verde da erva dos pastos. Nos últimos 30km as passagens de rio foram uma constante, alguns deles dava para passar montado, mas na grande maioria desmontei ou porque não queria arriscar a uma queda na água gelada ou porque eram demasiado profundos. Houve um deles que a água chegava à cintura e com uma corrente considerável…foi algo assustador, mas felizmente correu tudo bem. No meio do nada encontramos os Ger’s onde habitam famílias nómadas que vivem daquilo que a terra dá e do gado. Quando passamos olham para nós com um sorriso contagiante e vibram com a nossa passagem. A beleza continua a ser indescritível, sendo impossível descrever em palavras.  

A meta instalada num local isolado de tudo, onde não há rede nem sinal de civilização por perto, comprovam que a MBC é uma aventura, uma expedição neste remoto país asiático. Para se tomar banho a organização montou tendas específicas para esta finalidade, a água vem directo do rio, ou seja, não está a mais que 10 graus de temperatura. As refeições são servidas em tendas de campanha, assim como todos os restantes serviços, massagens, mecânica, assistência médica, imprensa, etc. recorrem a estas tendas. Para dormir existem Ger’s onde ficam instaladas 5 pessoas, mas desta vez não há cama.
As provas por etapas em BTT são fascinantes e apaixonantes. Permitem-nos conhecer o país, percorremos uma vasta área diariamente, interagimos com pessoas de todo o mundo…é um enriquecimento pessoal enorme. Eu adoro fazer isto! 

O vencedor masculino de hoje foi o espanhol Pau Zamora seguido de outro espanhol, António Ortiz. Em terceiro foi um atleta da Mongólia. Cory Wallace perdeu 2minutos hoje, mas mantém a liderança da prova. Em femininos a inglesa Catherine Williamson venceu a etapa, aumentando assim a sua liderança. Quanto ao meu resultado, ainda não sei, fiz 5.11min e pelo que me disseram quem estava na meta, fiquei dentro dos 10 primeiros atletas à geral. Os resultados aqui tardam a sair…
Uma curiosidade, vou partilhar o Ger com o Pau e como o António e já comecei a aperceber-me dos segredos…comer chouriça com pão! 

Os atletas que falam a língua de Camões continuam frescos que nem uma alface. O brasileiro Ricardo e o português Daniel Jesus acabaram as etapas com vontade de continuar a pedalar. 

A etapa de amanhã decorrerá no Parque Nacional Khan Khentii e deixaremos a tundra Siberiana. São 145km com 2 000m de D+. No final espera-nos uma subida de 28km.

João Marinho 


NOTA: Irei publicar um relato por dia ao longo dos próximos 7 dias. Atenção que esta prova aconteceu entre 1 e 8 de Setembro, mas não tive oportunidade de colocar os relatos online antes.
Mais fotos na minha página de atleta no Face Book: www.facebook.com/marinhojoao








Sem comentários :

Publicar um comentário

João Marinho
Mountain biker, trail runner & adventure sports addict